a lógica da eleição de 2016 para prefeito em arapiraca

A política entre nós continua sequestrada pelos grupos de poder local. As primeiras contações da campanha para prefeito nesse pleito de 2016 já toma algumas dimensões. Os primeiros nomes, as antigas alianças, as conversas de cartas marcadas, o cálculo de rebanho. O debate desqualificado repõe sempre a política ao lugar de um populismo assistencialista, regido e centrado na figura de um salvador da cidade. E lá os vemos, sorrindo, certos do eterno domínio do gado. Até que um mungido acorda a manada.

Nada de novo na agenda por esses dias (salvo essa nota da prefeita): Célia Rocha despediu-se "Depois de 32 anos dedicados a vida pública, decidi dar um tempo pra mim, minha saúde, filhos, netos amigos". Célia sai da vida pública (nota: facebook) mas será uma personagem ainda influente por muito tempo na região. No final da nota oferece o apoio a uma candidatura Ricardo Nezinho com Yale Fernandes, vice. Precisa dizer algo mais sobre a improvável e indesejável assunção do político anti-política na prefeitura? Ricardo Nezinho representa as forças do atraso (ou forças conservadoras, como queiram), lutou para calar a voz política das nossas escolas, e agora quer nosso voto para sentar na cadeira de prefeito. Saberá Arapiraca dar o troco?

Até o momento não há nenhum nome que represente a juventude, os estudantes, os movimentos sociais e os trabalhadores. Tudo que a anti-imprensa local faz é requentar as notas das assessorias das velhas raposas. Os conchavos são desenhados sem que haja a participação popular e suas demandas no desenho da cidade que queremos. Isso é parte de um traço da ausência de construção política por meio de assembleias populares, na praça, o povo, trabalhadores, estudantes, decidindo a cidade. Seriam nossos jovens capazes de perceberem a armadilha da política herdada das poucas famílias que sempre se revesam para nos governar?

O que mais precisamos nesse momento é nos unirmos para dizer não, para dar um basta, para virar as costas, para não calar diante da angustiante situação de ver a política como um eterno jogo de cartas marcadas. É momento de reinventarmos nossa voz, deixar de lado os coronelismos e os provincialismos que tanto nos é caro nessas horas. Temos que dar um passo adiante. Temos que aprender sobre o que somos e o que queremos.



a lógica da eleição de 2016 para prefeito em arapiraca a lógica da eleição de 2016 para prefeito em arapiraca Reviewed by davy sales on terça-feira, abril 26, 2016 Rating: 5

Um comentário:

Anônimo disse...

O professor Arnaldo Rocha é o melhor representante da juventude, dos estudantes, dos movimentos sociais e da classe trabalhadora

Davy Sales (2012). Tecnologia do Blogger.