o milagre do 30 de outubro


Nos últimos dias temos observado uma movimentação crescente em torno de uma suposta preocupação positiva com o eterno futuro da cidade. Sabe-se o quanto Arapiraca têm de potencial para ser bem melhor do que é para seus cidadãos e cidadãs. A meia boca, de ouvido a ouvido, nas esquinas, ouve-se que a cidade está parada, em alusão a atual gestão da prefeita Célia Rocha.

A prefeitura começou uma corrida contra o tempo para tentar dizimar tal raciocício, qual seja, da "inabilidade" da prefeita de prover o tal futuro grandioso que a cidade projetou, mas demora a vingar. Então surge o expediente das múltiplas inaugurações durante o 30 de outubro, data em que comemoramos a emancipação política de Arapiraca, que deixou Limoeiro de Anadia e fez-se cidade. 

Aliás, hoje Arapiraca é tão extensa para os padrões do interior nordestino que sua cidade-mãe é menor que qualquer bairro de Arapiraca. Então o 30 de outubro surge sempre como carta na manga do executivo local em tempos onde coloca-se em xeque a capacidade executiva de nossos dirigentes. A prefeita já soltou notas e postagens nas redes sociais dando conta de pelo menos 50 inaugurações durante os festejos desse ano. Obviamente que esse expediente é mais propaganda que obra planejada, é uma reação, o que no fim das contas é bom para a cidade.

A maioria das inaugurações dizem respeito a aposição de calçamento em paralelepípedo de ruas em bairros mais periféricos. Junte-se à isso o recapeamento das quatro entradas da cidade, que estavam desde sempre abandonadas, esburacadas, impróprias para a circulação. Basta que chegue o 30 de outubro que vemos uma administração preocupada com a cidade. É bem vindo a extensão da urbanidade para bairros pobres e sem estrutura.

Mas o que se faz nos dias 30 de outubro em Arapiraca, da missa católica ao desfile militar-cívico, e as inaugurações de ocasião, é repetir o velho estilo de governar. Inanição executiva durante a maior parte dos meses, e o milagre de investimentos e inaugurações nesse dia específico, quando os deuses da urbanidade se mostram abertos a liberarem recursos para as obras e a viabilização dos estudos, se há, quando há, que indicam os ganhos sociais e políticos para o povo dessa cidade que, a duras penas, insiste em alcançar o padrão de urbanidade de Feira de Santana e Campina Grande. E estamos conseguindo. Estamos bem perto disso. Apesar da administração pífia de Célia Rocha, apesar dessa Câmara de Vereadores aquém do nosso projeto de cidade.
o milagre do 30 de outubro o milagre do 30 de outubro Reviewed by davy sales on sexta-feira, outubro 02, 2015 Rating: 5

Nenhum comentário:

Davy Sales (2012). Tecnologia do Blogger.