A cidade, os ricos na riviera e os empregos

New_DSCF3119 lazer aquático como o jet-ski no lago da perucaba tem se tornado frequente 

Despoluição do lago da perucaba deve acontecer. Quando vivíamos de costas ao fétido lago, rodeado por favela e comunidades pobres, a cidade jamais moveu uma palha para fazer do lago nosso balneário. Mas agora que os ricos vão morar na orla, todos os canais foram abertos e a cidade já garantiu verbas para mudar a realidade da região. A prefeitura anunciou R$ 31 milhões de investimento federal na região que vem a ser a segunda etapa da urbanização, que prevê a construção de um pequeno Centro de Convenções, e um terço desse valor será para a despoluição do lago e das áreas de atenção por onde esses rios passam. Provavelmente é um montante pequeno para dar cabo ao serviço embora seja bom saber que agora a cidade enfim abraçou a ideia de que a região é uma dádiva ao turismo e ao lazer comunitário.

manoel teles jabairro Manoel Teles continua desprezado pelos investimentos públicos apesar de duas áreas verdes não há parques.

O bairro Manoel Teles, Cacimbas II e Primavera são áreas que a prefeitura deu as costas. Nenhum investimento feito na Perucaba procurou refletir uma melhora no padrão de vida dos moradores dessas regiões. São áreas de pobreza e vulnerabilidade que estão na vizinhança dos novos empreendimentos para os mais ricos. O Manoel Teles não tem parque apesar de duas matas incríveis no seu coração, continua a ser conhecido como área violenta e de comércio de drogas ilegais. As Cacimbas II é um mar de desolação e abandono, com ausência de equipamentos públicos, e mesmo assim silenciadas pela prefeitura, nenhuma menção na Câmara, nada vindo do MP. A Primavera é um dos maiores bairros da cidade, muito heterogêneo, pois há áreas de casas de classe média, de classe baixa e espaços favelizados. É um bairro vibrante embora também forçosamente incapaz de receber atenção e investimentos públicos, permanece como um esteriótipo de bairro pobre e violento. A cidade precisa acolher essas três regiões caso queira que o lago da Perucaba seja de fato o paraíso que as construtoras fazem querer crer. Morar numa orla de um lago poluído e de uma vizinhança com índices altos de violência não parece ser bom, nem para quem é morador nem para os que estão vindo. Como disse acima, a despoluição vai começar, agora a cidade deve cobrar um olhar mais de perto sobre a vizinhança, oferecer melhores condições de vida para a periferia mais vulnerável aos problemas que a pobreza e o desamparo alimenta.

New_DSCF8086  detalhe da cobertura do hotel Plaza, no centro.

Novos empreendimentos chegaram na região do perucaba. Esse blog há anos vem falando da nova Arapiraca, desse boom imobiliário, da expansão do território urbano, do crescimento vertical da cidade. O mais novo empreendimento é o condomínio Riviera do Lago, comandado por um pool de construtoras, imobiliárias e o grupo local José Alexandre (Coringa). Trata-se do segundo condomínio de alto padrão e deve levar 500 famílias de classe média alta e classe alta, devido ao tamanho dos terrenos (500m2 e aos valores cobrados). Numa cidade aonde nove de cada dez empreendimentos imobiliários são destinados as classes populares, parece que chegou o tempo de ofertas de alto padrão. Isso é bom para a cidade, reflete a demanda por imóveis de alto nível enquanto revela a força da cidade nesse momento. O aumento do padrão das construções deve mudar muito a nossa paisagem arquitetônica, tão feia, amadora e pobre, como deixa bem claro as nossas construções mais antigas, como o hotel Plaza. Se os conjuntos residenciais do Minha Casa Minha Vida reproduzem o padrão casa-de-pobre, pequenas, amontoadas, em conjuntos entregues sem serviços públicos nem estrutura adequada, é bom ver que os novos empreendimentos anunciam também uma virada, para melhor, no alto padrão das construções, no acabamento, no desenho arquitetônico. Uma nova Arapiraca com uma arquitetura mais sofisticada é bom para todos mas é preciso uma luta para que o padrão arquitetônico dos residenciais populares também sejam melhor planejados.

Novos empregos para os arapiraquenses estão chegando. A prefeitura fez um anúncio dizendo que teremos cerca de 2000 novos postos de trabalho com a chegada do Riviera. Outras fontes nos dizem algo em torno de 400 empregos diretos para as obras e cerca de 800 vagas quando o condomínio estiver funcionando (técnicos, vigilantes, jardineiros, empregadas domésticas). O fato é que a chegada desses empreendimentos tem ajudado a cidade a manter-se relativamente bem na oferta de novos postos de trabalho.Os últimos que empregaram milhares de arapiraquenses foram o Shopping Pátio e a Call Center. Como o Sesc e Sesi estão na cidade já a uma década, temos formado muita mão de obra que, de modo geral, tem se convertido em oportunidade de trabalho para os estudantes aqui mesmo na cidade.

A cidade, os ricos na riviera e os empregos A cidade, os ricos na riviera e os empregos Reviewed by davy sales on terça-feira, março 03, 2015 Rating: 5

Nenhum comentário:

Davy Sales (2012). Tecnologia do Blogger.