se a eleição fosse hoje

As eleições para vereadores e prefeito já estão a movimentar a política, e Arapiraca é a galinha dos ovos de ouro: cidade rica e próspera tem chamado a atenção de toda a região e a vontade de ser uma figura política por aqui (no legislativo ou no executivo) tem tirado o sono de muitos. Os quatro nomes oficiosos que já estão no páreo (ver nossa enquete ao lado) se movimentam em busca de apoio e votos. Célia Rocha, que já foi nossa prefeita, está na frente da corrida à cadeira do executivo municipal.

Os nomes dos candidatos a vereadores ainda não estão claros mas percebe-se grande movimentação e interesse de todos os partidos com comitê na cidade. Até o PT local, adormecido e atrás dos bastidores de nossa política, anunciou que terá candidatos nesse pleito. A novidade foi a desistência do vereador Daniel Rocha em não tentar a reeleição neste ano.

Nossa enquete está no ar desde o mês de abril e a candidata Célia Rocha mantém-se no patamar dos 70% de votos. Somados as intenções de voto em Alves Correia, Rogério Teófilo e Ricardo Barreto temos o quantitativo de 30%. A força e visibilidade de Célia Rocha, nos parece, infinitivamente superior a qualquer um dos seus adversários até agora colocados no páreo.

Ricardo Barreto, por exemplo, é apoiado por um senador sem presença (Benedito de Lira), senador produto dos conchavos políticos mais atrasados de Alagoas. E o pior, pertencem a um partido terrível (PP) que na cena política contemporânea do Brasil representa o atraso do atraso. Partido a direita que defende as vozes mais tristes da república. Dificilmente vai crescer em nossa eleição. Sem presença política, nem do candidato nem do senador, será provavelmente pouco prestigiado em nossas urnas em outubro. Sua candidatura soa como mais do mesmo, soa como a tentativa de construção de uma nova persona política. Ele veio marcar sua presença, avisar que existe. Mas é só isso.

Alves Correia é conhecido radialista da cidade, famoso por seu jeito peculiar para dar notícias no rádio, abusando dos chavões e do mau uso da língua portuguesa. Ele tem presença muito forte em nossa comunidade e é prestigiado principalmente pelos mais velhos. Mas não parece ter sensibilidade administrativa, política ou intelectual para gerir uma cidade tão rica como Arapiraca. Dificilmente a maioria dos eleitores convergirão para seu nome. No ar fica mais suas brincadeiras e palhaçadas no rádio, não dando espaço para discussões mais sérias sobre qual projeto de cidade ele seria capaz de defender.

Rogério Teófilo é um nome que tem vulto, mas que há muito não é parte da cena política da cidade. Sua carreira política desenhou-se mais como deputado por Alagoas e há muito distante de nossas preocupações locais. Sua família é bem conhecida e prestigiada por aqui, mas seu maior apoio, o famigerado governador Teotônio Vilela (aquele que há mais de dois anos não consegue duplicar seis quilômetros de uma rodovia) está com uma imagem bem arranhada na nossa política local. Governador incapaz de entender Arapiraca deve piorar a situação do Teófilo, que em nossa enquete figura em terceiro lugar.

Célia Rocha parece encantar eleitores locais por ter uma forte base de apoio entre os políticos e o povo. Sua carreira política na cidade como vereadora e como prefeita já deu a noção de sua importância no cenário arapiraquense. E certamente Célia Rocha tem seus pecados (como a denúncia sobre o Lixão na serra das microondas que recebeu verba mas não construiu-se o aterro) mas sua capacidade política de administrar e sustentar nosso crescimento parece ser um caminho bem construído e que muito dificilmente será abalado com os seus adversários nesse pleito. Ela está deixando a Câmara Federal para tentar voltar ao executivo municipal, o que nos dá a dimensão da importância dessa cidade para os políticos.

Arapiraca não é uma cidade que pode ser governada por nenhum aventureiro ou neófito na política. Essa cidade exige certo grau de competências para saber sustentá-la sob seus ombros. Não basta trazer o apoio dos antigos currais, não basta ser empresário apadrinhado por senador, não basta ser radialista famoso. A cidade parece exigir certas credenciais que passam tanto por ligações com a ordem política popular tanto quanto partidária. Exige-se agora capacidade de trânsito pelas esferas local, estadual e federal. Uma cidade tão próspera precisa de alguém à altura capaz de levá-la ao futuro prometido. Chegou a vez de Arapiraca, e os eleitores parecem, enfim, saber disso. Que venha outubro.

se a eleição fosse hoje se a eleição fosse hoje Reviewed by davy sales on quinta-feira, maio 10, 2012 Rating: 5

2 comentários:

Anônimo disse...

É, realmente as opções são péssimas, Rogério é fraquissímo como político, Alves não a tem competência necessária, Ricardo Barreto é mais um oportunista, e Célia Rocha quer ficar ainda mais rica subtraindo o dinheiro público. Nestas condições o arapiraquense vai ficar no velho dilema: "se correr o bicho pega, se ficar o bicho come".

Há Lagoas disse...

Realmente, como em todos os Estados da Federação, Arapiraca sofre por não ser a capital de Alagoas, mesmo se levando em conta seu potencial estratégico e sua riqueza. Ao executivo estadual falta a visão de governar para todos os alagoanos, independente de posições partidárias. Ao executivo municipal fica a lição de que depender apenas de um senador, não preenche todas as expectativas necessárias de uma cidade que precisa de apoio em todos os segmentos do campo político.
Espero que o candidato que ganhar esta eleição deixe as diferenças de lado e trabalhe unicamente em prol de uma Arapiraca cada vez melhor.
Quero acreditar que Célia Rocha tem essa virtude, ao contrário do atual administrador.
Arapiraca é maior do que nossos políticos politiqueiros!

Davy Sales (2012). Tecnologia do Blogger.