vassalos, subalternos e ignorantes apóiam collor

collor1É preciso lembrar um pouco da história para que nossa memória nos ofereça um espaço mínimo de crítica e dignidade:
a) O crime do pai
Em 5 de Dezembro de 1963 o pai, Arnon de Mello disparou três tiros contra seu inimigo senador Silvestre Péricles, mas ao invés de acertar Silvestre, acabou por assassinar outro, com um tiro no peito, o senador acreano José Kairala, em plena tribuna do senado. No Senado! Mesmo com o flagrante, o crime ficou impune, por causa da "imunidade parlamentar". Política para ele era feita na base do coronelismo, da oligarquia familiar perpetuada no poder e impunidade.(leia sobre a "organização" Arnon de Mello como uma das construtoras do golpe de 1964).
b) O crime do filho
collor2 Em 1992 Collor perdeu seu reinado de corrupção. Sofreu impeachment e perdeu os direitos políticos por oito anos. Estudantes de todo o Brasil iniciaram protestos contra a corrupção-base do governo Collor. O país entra em colapso e a vida política dá sinais de maioridade. Mas Collor não acreditava na voz estudantil e pediu que os brasileiros vestissem verde-e-amarelo e saíssem às ruas em seu apoio. Belo dia. Logo pela manhã, em várias cidades brasileiras, saíram todos, em protesto, vestidos de preto e de cara pintada. Era uma resposta à altura. Collor perdera o horizonte de sua legitimidade. Na votação do impeachment, em transmissão ao vivo, 448 deputados votaram a favor, 38 contra, 23 não foram à sessão e um se absteve. Em 29 de dezembro de 1992 Collor não enfrentou – fugiu, correu, renunciou. Apesar da renúncia, o Senado prosseguiu com o processo, que lhe tirou o cargo e o deixou inelegível por oito anos.Leia aqui para entender as denúncias que levaram ao impeachment.
c) Na sociedade dos escravos, vassalos, subalternos e ignorantes
Os alagoanos, que cultuam o atraso, votaram novamente nele para o senado. Perdeu o Brasil. Perdeu Alagoas. É um senador sem presença, faltoso, improdutivo e não representa Alagoas nem a república. É um zumbi da política que bebe do voto de cabresto. Num estado onde ainda se troca voto por tijolo e panela de pressão, onde a imagem dos coronéis ricos comandando o gado humano é lugar-comum, onde o voto se dá a quem for mais corrupto, a maioria que ganha tem processos na justiça(basta ver quantos corruptos e criminosos estão na nossa assembléia legislativa). Só numa democracia de terceira qualidade como a alagoana, políticos são cassados, presos e perdem direitos políticos, mas quando voltam, a senzala está pronta a votar novamente neles.
taturanasÉ um horizonte político triste e mesquinho. E se eles voltam, e são votados, é porque o crime e a corrupção é, na verdade, um bem desse povo. Não se vota em homens do povo, mas em coronéis da antiga política. O fato é que a maioria dos políticos alagoanos são avessos a grande política em prol da emancipação humana. Gostam da política dos corruptos, dos cabides de emprego, dos desvios de verba, dos assassinatos, da falta de ética, da falta de direito. Em Alagoas se vota em corruptos porque a base da alagoaneidade é essa: Quanto mais crimes, mais voto o candidato recebe. Alagoas é assim, esse mar de ignorância, vassalagem e escravismo. Se esquecemos o mal que Collor fez e faz à Alagoas e ao Brasil, também já esquecemos o que os taturanas fizeram contra nossa sociedade. Collor avisou que vai ser candidato a governador de Alagoas. Que os deuses nos livre desse pesadelo. Em outubro é só dizer não.
vassalos, subalternos e ignorantes apóiam collor vassalos, subalternos e ignorantes apóiam collor Reviewed by davy sales on sexta-feira, abril 30, 2010 Rating: 5

Um comentário:

Paulo Amaral disse...

Parabéns pelo artigo.

Infelizmente, Alagoas é a terra do atraso. Estado pobre, mas de gente pacata e honesta, que tem em seus políticos talvez a unica esperança de mudança. Mas, infelizmente estamos condenados a conviver com esses corruptos,porque aqui troca-se alimentos por votos.Alagoas produz uma das piores estirpe da classe política do País.Enquanto o coronelismo dominar esse estado, isso continuara. É triste e lamentável..

Davy Sales (2012). Tecnologia do Blogger.