Futebol, Violência e o Ópio de Cada Dia

Compreendo que muitos aprendam a apreciá-lo e vibrem por seus times mas não vejo sentido numa sociedade inteira manipulada pelo futebol. Quanta energia é gasta em torno do futebol: zilhões de reais para pagar técnicos, árbitros, ligas, jogadores, patrocinadores, fabricar estádios, montar ligas, campeonatos, copas. Milhões de crianças perdem a infância se preparando para serem... jogadores. Para ser Pelé, Zidane, Maradona ou Ronaldo. Canais de televisão específicos para futebol. Comentaristas profissionais sobre os jogos, os times, os campeonatos. Tira-teimas prontos a mostrar o problema técnico nos detalhes mais íntimos que deixa o bigbrother com inveja... A farsa não tem véu: 99% dos jogadores são trabalhadores assalariados...

Antes do futebol os canais apresentam a violência, que para eles, se dá lá nas periferias. Tão naturalmente assim como o pão se dá com a manteiga. Aí mostram uma facada na toca do rato, um tiroteio entre traficantes na vila X, um desentendimento entre vadios no conjunto Lau... Para dar o tom de show mostram uma confusão entre vizinhas pobres, analfabetas, desdentadas brigando por causa do marido... Depois, no intervalo, vende-se um xarope para tosse e um fortificante para os filhos da favela... A vida é uma festa: a classe média pode ver e ouvir as vozes confusas da pobreza sob a ótica dos jornalistas-juízes. É batata! Lá nos bairros imundos, sem energia, sem esgoto, sem posto-de-saúde, sem proteção, encontram o tráfico, o crime, a desordem...

Primeiro uma passagem pelo IML e nas comunidades-problema, intervalo, limpa-se a tela marcada por balas e sangue e, depois de um intervalo onde oferecem remédios e planos funerários, vem o programa esportivo, com o futebol como carro-chefe.

Não é a toa que na Assembléia se fez o que fez, o ópio que nos oferecem cotidianamente não nos deixa sair dessa lama escura.
Futebol, Violência e o Ópio de Cada Dia Futebol, Violência e o Ópio de Cada Dia Reviewed by davy sales on sexta-feira, junho 06, 2008 Rating: 5

Nenhum comentário:

Davy Sales (2012). Tecnologia do Blogger.