Tolerância zero

O outro nome para tolerância zero é inteligência zero. Temos visto nossa polícia em seu dever constitucional de garantir a ordem social, entretanto, quando assistimos a polícia parar todos os transeuntes - na missão de garimpar, como pente fino, objetos ilegais (armas, drogas, etc) - então a incapacidade de gerir/avaliar o cotidiano fica evidente: nestas incursões a pé sob calçadas e praças, a opção clara é por negros, pobres, vagabundos, meninos-de-rua, ociosos.

O imaginário policial parece ter parado em Lombroso, como se a criminalidade e o desvio pudessem ser caracterizados e determinados em função de traços biológicos, sem interferência das condições social e cultural da existência dos humanos. É um pouco o que quiz o governador do Rio, quando pedia interferência estatal na vida sexual e reprodutiva das mulheres faveladas, que seriam como úteros de fabricar bandido... A violência do Estado contra a autonomia, os sonhos e projetos dessas mulheres pobres continua. Seus sonhos devem dar lugar aos sonhos dos segmentos sociais mais privilegiados. Deve parar de ter filhos para parar de existir.

Quer dizer, o Estado brasileiro exclui essa população de suas benesses, depois envia seu braço armado para intimidar. Em NY essa operação só inflacionou presídios norte-americanos de latinos e negros. O que se quís lá foi tirar de circulação a população que incomoda, os negros, os latinos, os ilegais, os desempregados. Isso é injustiça! Isso é violência!

Tolerância Zero contra os pobres, os mau-nascidos, os perdedores... Se a inteligência pudesse estar à disposição de nossa polícia, poder-se-ia acertar o alvo (o roubo, o tráfico, os ilícitos), mas se a atitude visa apenas publicidade do metier policial, ela só pode servir para oprimir parte da população que passa o dia a perambular por nossas praças. E a favor dos vagabundos, idiotas, perdedores e pobres, ninguém se manifesta.

Nós fabricamos nossa pobreza e favelização da cidade, depois colocamos cerca elétrica em nossos muros, pagamos mau aos nossos empregados, criticamos os movimentos sociais e pedimos ao governo que coloque mais polícia na cidade porque a violência está demais... Assim, basta fechar nossa porta que lavamos as mãos... Não fazemos da nossa a boa sociedade, pelo contrário, ampliamos o calor na panela de pressão (apoiando a esterilização de mulheres pobres, p. ex.), mas acreditamos piamente que o Estado nos salvará da ira, da revolta e do levante dos oprimidos.
Tolerância zero Tolerância zero Reviewed by davy sales on terça-feira, janeiro 29, 2008 Rating: 5

Nenhum comentário:

Davy Sales (2012). Tecnologia do Blogger.